MISERICÓRDIA NA VIVÊNCIA FAMILIAR


Começaram a se tornar mais comuns as notícias sobre encontros promovidos para reunir todos os familiares. É encontro da família tal... mais um daquela outra família... E as pessoas que participam destes eventos quase sempre se surpreendem ao descobrir tantos parentes desconhecidos... Ficam felizes por rever e conhecer primos ou tios tão extrovertidos, inteligentes, agradáveis... reconhecem traços físicos e comportamentais semelhantes... recordam e descobrem ancestrais comuns... partilham histórias nunca antes contadas... deliciam-se com os pratos típicos que, por décadas, acompanham a família... e celebram juntos a fé, promovendo um momento religioso comum que lhes dá profunda identidade...
Infelizmente num mundo globalizado, informatizado, tornado tão pequeno por inúmeros inventos de comunicação, ainda tenhamos a tentação de nos fecharmos em nós mesmos, de nos julgarmos suficientes para nossos interesses egoístas, de nos admirarmos patologicamente de nossa solidão e de nossas pretensas belezas, qual Narciso pós-moderno.
Num coração egoísta e presunçoso não há espaço para a Misericórdia. Como poderia abrir-se ao outro um coração engessado, congelado e frio? Quão infeliz, esse coração!
Mas Deus nos criou a todos por puro Amor. Ele nos criou um pouco abaixo dos anjos... e, se até dentre eles houve quem se rebelasse contra Deus, que dizer de nossa condição tão frágil e pecadora!? Diante de nossas fraquezas, porém, Ele nos olha com Misericórdia. Foi assim com Adão e Eva e o será para sempre, pois é próprio de Deus agir com Amor que perdoa, isto é, agir com Misericórdia. Ele não pode ser diferente.
Ao pensar em nós, quis fazer-nos à Sua imagem e semelhança! E nos fez família! Por isso, quanto mais vivermos unidos aos demais irmãos e irmãs, mais semelhantes a Deus seremos. Quanto mais promovermos a concórdia e a solidariedade e a fraternidade, mais parecidos com o Pai seremos. Quanto mais construirmos pontes entre os corações, entre as nações... mais estaremos promovendo o sonho de Deus para nós.
São profundamente ofensivas à Deus as divisões que cultivamos entre nós, especialmente no seio familiar. Nossa sociedade não vai bem, e isso já é senso comum. Mas, será que não é porque nossas famílias não vão bem também? E quais são os fatores que provocam tanta dor, tanta divisão e tanto egoísmo em nossos lares? O que estamos fazendo e que podemos fazer para retornarmos aos sonho inicial de Deus?
O Papa Francisco nos apresenta o caminho da Misericórdia. Neste Ano Santo ele convoca toda a família humana e cada uma de nossas famílias a fazerem uma experiência de Misericórdia. Isso pode ser alcançado colocando o coração “em saída”, isto é, indo ao encontro do outro irmão, aproximando-se mais de Deus. Esse Jubileu seja marcado pela conversão interior; por isso, o Papa nos convida a nos aproximarmos do Sacramento da Penitência, buscando viver a Reconciliação a partir da própria casa. Perdoar é um grande ato de Misericórdia, pois Deus disse “desejo Misericórdia e não sacrifícios; conhecimento de Deus em vez de holocaustos” (Oséias 6,6).
Os esposos são chamados pelo Matrimônio a viverem “a alegria do Amor”, o que significa buscarem o bem um do outro. No relacionamento familiar o perdão, a correção fraterna, a exortação amorosa ajudam todos a fazerem a experiência do Deus da Misericórdia. É o apóstolo São Tiago que nos esclarece: “pensai bem, o julgamento vai ser sem misericórdia para quem não praticou a misericórdia”... e garante: “a Misericórdia, porém, triunfa sobre o julgamento!” (cf Tg 2,13).
É ainda na Palavra de Deus que encontramos uma outra orientação para a vivência familiar segundo o Plano de Deus. Como diz a canção: “Onde o Amor e a caridade, Deus presente está”. Amor e caridade... não é exatamente isso a tal Misericórdia? Deus quer “estar” em nossos relacionamentos familiares e em nossas casas enchendo-as de Sua Presença Misericordiosa. Portanto, não desistamos de nossas famílias!
Os eventos que fomentam a aproximação das pessoas precisam ser incentivados. Sejam nos Grupos de Famílias ou nas festas comunitárias ou nos grandes Encontros dos descendentes de uma ou outra Família! Contra o egoísmo, a proposta é abrir-se para o outro. Contra o orgulho, a Misericórdia!


Pe. Auricélio Costa – Reitor do Santuário de Albertina 

Comentários