FALECIMENTO DO PE. ANTÔNIO DAMIANI



A Diocese de Tubarão comunica o falecimento, às 18h00 deste dia 22 de novembro (sábado), com 85 anos de idade, Padre Antônio Damiani, no Hospital Imaculada Conceição, onde estava internado, após ter sofrido um infarto. Seu corpo será velado na Igreja Matriz Santa Terezinha do Menino Jesus, no Bairro Passagem em Tubarão, até a Missa de Exéquias neste domingo (23), às 14 horas. Após a Missa, seu corpo será transladado para Nova Veneza, sua terra natal, onde outra Missa será celebrada às 17h00, na Igreja São Marcos, antes do seu sepultamento.

Padre Antônio Damiani nasceu em 12 de maio de 1929, no município de Nova Veneza, SC. Filho de Vergílio e Eleonora Destro Damiani, teve mais 7 irmãos. Quando adolescente, aos 16 anos de idade, ingressou no Seminário. Foi ordenado padre no dia 08 de dezembro de 1958, na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, de Urussanga. Recém ordenado, foi nomeado formador no Seminário Menor de Tubarão, permanecendo ali até 1981. Durante esse período, exerceu as funções de Diretor Espiritual, Prefeito de Disciplina, Professor de Matemática, Latim e Religião, Reitor (1962 a 1965), Ecônomo e Administrador da Cerâmica Fátima Ltda, que era propriedade do Seminário, onde se fabricavam tijolos para ajudar no equilíbrio das finanças da casa.

Nos 22 anos vividos no Seminário Nossa Senhora de Fátima, Pe. Damiani vivenciou a alegria de sua inauguração, em 1964, e das muitas Ordenações Sacerdotais de ex-alunos que hoje formam os presbitérios de Tubarão e Criciúma. Vivenciou também momentos dramáticos, como o trágico incêndio que destruiu a metade do Seminário,em 1972, e a terrível enchente de 1974, quando as águas do rio Tubarão chegaram a 2,15 m dentro de casa.

Depois do longo tempo doado ao Seminário, Pe. Damiani foi pároco em Grão Pará (1981-1984) e na Paróquia Santa Terezinha de Jacinto Machado (1985-1990). Foi Vigário Paroquial em Oficinas, Tubarão (1991 - 2009) e na Paróquia do Bairro Passagem (set. 2009 até o fim de sua Vida). Adotou o Pe. Édison de Souza Müller como seu irmão primeiro no presbitério e este sempre correspondeu à sua escolha.

De jeito alegre, humilde e bastante falante, Pe. Antônio Damiani sempre tinha histórias para contar. Admirador da natureza e apaixonado por plantas, deixava os jardins do Seminário sempre multicoloridos com várias espécies de rosas. Na parte interna da casa, distribuía suas belas orquídeas e antúrios bem cuidados. Outra paixão desde zeloso presbítero foi a pescaria. Em seus dias de folga, era comum encontrá-lo nos costões de Santa Marta, Itapirubá e de outras praias da região.

Como padre e como pessoa, quer seja no Seminário ou nas paróquias onde trabalhou, Pe. Antônio Damiani foi sempre muito respeitado e querido por todos.
Fontehttp://www.diocesetb.org.br/

Comentários