“SAIR” PARA TESTEMUNHAR

          
           Conversa vai, conversa vem... e o tema da missionariedade está cada vez mais presente na agenda da Igreja. Na verdade, nunca se deixou de tratar do assunto, mas, agora, o Papa Francisco nos tem provocado efusivamente a buscarmos caminhos mais concretos para promover a construção do Reino. Ter espírito missionário é uma condição fundamental para se responder ao mandato de Jesus “Ide a anunciai”.
Para estarmos em sintonia com o envio de Jesus e o apelo do Papa, precisamos nos colocar “em saída”. Sim, estar “em saída” é atitude essencial para quem se sabe discípulo missionário de Cristo.
Desta forma, as tentações de isolamento e fechamento não nos impedirão de sermos fiéis à nossa vocação cristã. Pois, de fato, a Igreja precisa estar aberta para acolher, para renovar-se e para “sair”.
A Bíblia nos dá muitos modelos de pessoas que se tornaram eficazes instrumentos nas mãos de Deus, porque não se isolaram em si mesmas. O grande “amigo de Deus”, Abraão, por exemplo, tinha um coração aberto. Somente assim ele pôde fazer a experiência de “sair”: sair de sua terra, do meio de sua parentela, do seio de sua cultura... Porém, a “saída” mais exigente de Abraão foi “sair de si mesmo”. Mas ele foi humilde, obediente e confiante no propósito de Deus.
Nestes nossos tempos, quando o medo e o egoísmo querem dominar a nossa vida, precisamos nos desafiar: colocarmo-nos “em saída”... e “sairmos de nós mesmos”! Somente olhando para além de nós (isto é, do nosso mundinho) é que poderemos perceber que há pessoas cruelmente impedidas de ser felizes. Seja pelo flagelo do tráfico humano, ou pelas novas formas de escravidão, como refletimos nesta Quaresma; ou por tantas outras formas de desrespeito à vida humana.
Os Evangelhos nos dão conta que Pedro, João e algumas mulheres discípulas de Jesus correram para junto do túmulo de Jesus, no Horto das Oliveiras. Eles “saíram” de sua condição de luto e de medo, onde se refugiavam e se lamentavam.
Nós também queremos testemunhar que o “sepulcro está vazio”, pois “Ele ressuscitou”! Do embate com as trevas da morte, Jesus “saiu” vencedor! Ele é luz, é vida, é a nossa Páscoa!
Que o Senhor nos ajude a sermos testemunhas da ressurreição. Não há porque celebrarmos sozinhos a Páscoa de todo dia. É preciso “sairmos” para levar a Boa Notícia a todos: Ele está vivo no meio de nós!


Pe. Auricélio Costa – Promotor Vocacional

Comentários