domingo, 31 de março de 2013

RIO DO POUSO ALTO – MISSA DE PÁSCOA


31 de março de 2013. 10:30h. No alto do morro, no interior de Tubarão (SC), situa-se esta simpática comunidade de Rio do Pouso Alto. A capela do Sagrado Coração de Jesus é muito bonita e acolhedora. Também as pessoas que lá vivem a sua fé. A animação da Missa foi do Ministério Canção do Espírito, de Tubarão.

Durante a celebração acolhemos a luz do Círio Pascal apresentada à comunidade pelos jovens. Ao final a comunidade comunicou que aconteceu uma campanha de alimentos para oferecer aos jovens recuperandos da Comunidade Terapêutica Desafio Jovem, no vizinho bairro de Bom Pastor.

MISSA DE PÁSCOA NA GUARDA – ME, EM TUBARÃO


31 de março de 2013. 08:30h. O lindo dia de Páscoa amanheceu quente e iluminado pelo maravilhoso sol. E nossos corações estavam felizes porque Jesus, o Sol de nossas vidas, ressuscitou!

O Ministério de Cantos da comunidade já estava acolhendo os fieis quando eu cheguei. A igreja dos Santos Anjos da Guarda ficou tomada pela assembleia. A celebração foi muito bonita. Acolhemos a luz do Círio Pascal. Ao final, fiz a apresentação da nova CAEP da comunidade. Também foi um momento muito significativo.

ENCERRAMENTO DO TRÍDUO PASCAL EM HUMAITÁ DE CIMA



30 de março de 2013. 20h. Quando cheguei à comunidade já encontrei a assembléia reunida defronte ao templo. Cantavam, rezavam e se alegravam pela chegada da Páscoa do Senhor. Logo me paramentei e fui para junto das pessoas, acompanhado dos Ministros da Comunhão, Equipe de Liturgia e Grupo de Coroinhas.

Ali benzemos o Fogo Novo, no qual foram queimados os pecados e sinais de trevas da nossa sociedade. No interior do templo, na penumbra, cantei o “Exultet” e acompanhamos as leituras do Antigo Testamento.

Na hora da proclamação do “Gloria in excelsis Deo” os sinos repicaram, as sinetas soaram, os coroinhas tocaram chocalhos, as luzes foram acesas, as pessoas se cumprimentaram e o coral da comunidade entoou “Glória, glória, aleluia!”. Foi uma linda festa pela ressurreição do Senhor Jesus!

Ao final da celebração as lideranças distribuíram flores aos jovens presentes e a outras pessoas da comunidade. Então eu as convidei para trazerem o andor com a imagem de Nossa Senhora e fizemos uma linda procissão com a Mãe da Esperança.  A comunidade deu uma bênção especial para os jovens, valorizando suas presenças, dentro da motivação do Ano da Juventude. Também aqui as lideranças prepararam presentinhos para os mais novos. Todo mundo ganhou um doce!

CELEBRAÇÃO DA RESSURREIÇÃO – SÃO BERNARDO – TUBARÃO

30 de março de 2013. 18:30h. Mais uma vez Deus providenciou para que eu pudesse celebrar a Ressurreição do Senhor na comunidade de São Bernardo, na Paróquia de Humaitá, em Tubarão (SC). Aos poucos os fieis foram chegando e, em torno de uma fogueira acesa na frente da capela foram se agrupando. Cantamos, rezamos e iniciamos ali a celebração.

Após a bênção do fogo novo e da preparação do círio pascal, adentramos solenemente no templo, à luz de velas. Ainda dei as três tradicionais batidas na porta antes que elas fossem abertas. Após as leituras e a homilia, renovamos as promessas do batismo. O Ministério de Música Filhos do Céu, da matriz N. Sra. de Fátima, animou muito bem a celebração. Tudo correu bem. As lideranças se empenharam muito para celebrar o Tríduo Pascal.

Ao final, houve distribuição de doces aos participantes. De fato, a ressurreição do Senhor traz doçura às nossas vidas e à nossa esperança!

sábado, 30 de março de 2013

D. JOÃO FRANCISCO – SERMÃO DA SOLEDADE EM TUBARÃO



29 de março de 2013. Eis a mensagem de nosso Bispo D. João Francisco no final da Procissão de Sexta-feira Santa em Tubarão (SC). Estando a praça da Catedral, bem como o seu interior e os arredores tomados pelos fieis, assim se expressou o prelado.

O ASSUNTO AQUI É "VIDA"
Irmãos e irmãs, estou para completar 34 anos da Ordenação Sacerdotal, mas esta é a primeira vez que tenho uma assembléia tão numerosa e disposta a me ouvir. Muito obrigado! Eu quero lhes falar mais da vida do que da morte do Senhor Jesus. Recordamos hoje as palavras de Jesus “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”. De fato, “Ele veio para o que era seu, mas os seus O rejeitaram”.

A celebração de fé que estamos fazendo nesta noite é continuidade daquela outra que fizemos hoje à tarde. Lá rezávamos por todos os sofredores do mundo. E continuamos a rezar durante a procissão. Percebi que neste gesto não houve diferença entre nós. Caminhamos juntos até aqui, mas a nossa grande caminhada ainda não terminou: estamos caminhando para a luz que emana do Cristo Ressuscitado!

O TESTEMUNHO DE MARIA
Estamos diante destas duas impressionantes imagens: a Senhora das Dores e o Senhor Morto. Olhemos para Maria. Sua perseverança e sua fé fascinam e atraem. O que faz esta mulher ser tão grande e tão forte? Maria é exemplo de pessoa perfeitamente harmonizada com os planos de Deus. Ela sabe que participa da missão do filho. Maria não é uma coitadinha, ingênua, impotente, digna de pena e dó. Pelo contrário: ela é uma gigante da fé, a Senhora da Piedade! Quanto temos que prender de sua experiência, sabedoria e testemunho!

A PROPOSTA DE JESUS
Irmãos e irmãs, sejam todos muito bem vindos e bem vindas aqui nesta noite! Com que grande amor o bom Deus nos reuniu para que, por alguns instantes, neste momento tão particular do sagrado tríduo e diante da morte de Jesus e da certeza de Sua ressurreição, voltemos nossos pensamentos para alguns aspectos dos mais importantes de nossa vida. Assim é a nossa provisoriedade neste mundo diabólico, de “vaidade das vaidades, tudo é vaidade”, como diz o livro de Eclesiastes. O sentido da vida e nossa missão neste mundo, a morte e a ressurreição de Jesus, a páscoa, a fé em Cristo e a nossa esperança de vida eterna, a vida cristã... é como o fermento de um mundo novo.

Jesus deixou esta tarefa como se fosse algo indispensável para poder viver. “Meu alimento é poder fazer a vontade de meu Pai”. Ele passou pelos caminhos da Palestina fazendo o bem e anunciando a proximidade de um mundo novo, de vida, de liberdade, de paz e de amor para todos. Ensinou que Deus é amor e que não exclui ninguém, nem mesmo os pecadores. Ensinou que os leprosos, os paralíticos, os cegos... não devem ser marginalizados, pois não são amaldiçoados por Deus.

Ensinou que os pobres e os excluídos são os preferidos de Deus por que têm o coração mais disponível para acolher o Reino. E avisou aos ricos, aos poderosos e instalados, que o egoísmo, o orgulho, a autosuficiência e o fechamento só podem produzir a morte. O choque foi inevitável. O que Jesus ensinava e praticava era uma afronta ao egoísmo, à má vontade, ao poder que dominava o mundo. Não faltou que se sentisse denunciado por Jesus e, por isso, incomodado, em especial os que representavam as autoridades.

Como renunciar aos esquemas de poder, da influência, do domínio, da inveja? Não havia disposição alguma para arriscar a experimentar a grande novidade que Jesus propunha. Por isso Jesus foi preso, julgado, condenado e pregado na cruz como malfeitor criminoso.

A MORTE DO SENHOR GERA VIDA
A morte de Jesus está no caminho de quem anuncia e dá testemunho do Reino. É o resultado do conflito que se estabeleceu devido às tensões, resistências que a proposta de vida segundo o Evangelho provocou entre os que dominavam o mundo. A morte de Jesus também é o ponto mais alto de Sua vida. É ali que Ele se encontra no cume do Seu poder de Messias. É ali, porque marcado com o carimbo do sangue, que ganha valor e verdade tudo aquilo que Jesus pregou com palavras e com atitudes: o amor, o dom total e o serviço.

Por isso, não estamos aqui como se estivéssemos vindo a um velório, lamentando a morte ou um acontecimento trágico de alguém muito importante. Nós não entendemos a vida como se fosse nada mais do que ‘um vale de lágrimas’. Nós andamos pela cidade de cabeça erguida e estamos aqui para bradar a todos que nos queiram ouvir que a vida é um caminho de esperança e que, por isso, de conquista do mundo; porque, quem tem esperança conquista o mundo!

Na cruz de Jesus e pelo caminho de Sua morte, em direção à ressurreição vemos aparecer o homem novo! O homem e a mulher que amam radicalmente e que fazem de sua vida um dom para todos. Porque amam, assumem como missão a luta contra o pecado, contra todas as causas geradoras de medo, injustiça, sofrimento, exploração e morte.

A IGREJA É A CASA DOS JOVENS
Assim, em Jesus Cristo morto na cruz está como uma semente do dinamismo do mundo novo!... o dinamismo do Reino! “Se o grão de trigo não morrer, fica só; mas se morrer, produzirá muitos frutos”. É para uma vida cristã assim de sentimento autêntico de Jesus de Nazaré que a Campanha da Fraternidade está chamando os jovens. É Jesus morto e ressuscitado que diz: “Vem e segue-me!” Levantam-se e deixam tudo o que as prende, aquelas pessoas que acreditam, que sonham, que estão dispostas a dar a vida pela mesma causa que animava Jesus. Onde estão os nossos jovens desta noite? Por favor, levantem a mão (muitas mãos se ergueram)! Vamos cantar o estribilho da Campanha da Fraternidade (canto). Jovens, vocês são sempre bem-vindo! Sempre mais, bem-vindos!

LIÇÕES DO FILME "TREVAS SEM LUZ"
Caros amigos e minhas irmãs, anos atrás correu por todos os cinemas do mundo o filme intitulado “Trevas sem luz”. Aí se abordava o seguinte tema: um sábio arqueólogo que empreendia escavações nos arredores de Jerusalém, onde hoje se encontra a Basílica do Santíssimo Calvário. Certo dia, uma bomba! Esse sábio arqueólogo comunica a todos os meios de imprensa dizendo “encontrei a sepultura de Jesus de Nazaré, crucificado no ano 33. Essa sepultura, porém, não está vazia, mas dentro dela se encontra um cadáver mumificado. Portanto, Cristo não pode ter ressuscitado. Cristo não ressuscitou, está morto.

Esta novidade se espalha aos quatro ventos via rádio, televisão e imprensa. O mundo entra numa densa treva. Tudo que lembrava Cristo foi feito desaparecer. Igrejas foram destruídas, conventos fechados, padres abandonaram suas paróquias, missionários do mundo inteiro retornaram às suas pátrias, irmãs abandonaram suas escolas, orfanatos e hospitais.

Enfim, o mundo entrou numa enorme confusão. “Até que, enfim, é desmascarado o embusteiro”, comentavam alguns. “Abaixo com a moral cristã e com a cruz do sacrifício e da aceitação da morte”, falavam outros. Outros tantos não deixaram de observar: “Que pena que tudo isso tenha sido uma falsidade, pois o Ressuscitado ainda nos dava o sentido e a esperança de enfrentarmos a vida e de superar os seus absurdos. Agora, porém, como morto, temos que verificar nossa frustração.”

Assim, e com outros tantos pormenores, o filme “Treva sem luz” vai mostrando como fica o mundo sem o fato da fé e da ressurreição de Cristo. Verdadeiramente trevas, confusão, frustração e angústia nos corações humanos. Porém, no final, o filme mostra o tal arqueólogo no leito de morte. Antes de entrar em agonia, ele quer ainda falar uma vez. Então revela ao médico, professor da Universidade, que sua descoberta fora um grande engano, que ele interpretou mal o cadáver mumificado, que este não era do ano 33, mas do ano 333 dC. Portanto, não se tratava do túmulo de Cristo. Todos que haviam abandonado seus compromissos assumidos em nome da fé voltaram com uma certeza, alegria, entusiasmo maior que antes.

Esta história de um filme moderno mostra-nos bem o que seria o mundo sem a fé na ressurreição. Paulo já nos dizia em sua Epístola aos Coríntios: “Se Cristo não ressuscitou, vã é a nossa pregação, vã é a nossa fé”; nós seríamos falsas testemunhas e os mais miseráveis de todos os homens; iríamos viver de fantasias, em vez de enfrentarmos a vida e a morte; procuraríamos fugir da dureza com falsas projeções de nossos desejos.

Porém, com o fato da ressurreição de Cristo, entrou uma novidade total em nosso mundo fechado pelo cálculo da morte. Alguém rompeu este círculo e deu esperança a todos nós. Dele diz São Paulo, novamente em sua Carta ao Coríntios: “se Cristo ressuscitou, então haveremos nós de ressuscitar também”. Ele é apenas o primeiro da enorme esteira dos mortos que um dia hão de ressurgir para a vida que jamais conhecerá a morte. Cantemos “Eu confio em Nosso Senhor” (canto).

NOSSA OPÇÃO: VIDA OU MORTE?
Então, irmãos e irmãs, deixem que eu lhe pergunte: sua vida prática, de cada dia, põe você em que momento desse filme? Você vive sua fé cristã coerente com a fé na ressurreição? Ou você age e vive como se ele tivesse provado que Jesus não ressuscitou? Que atitudes novas você teria que tomar para ser conforme disse S. Paulo ‘homem novo’, ‘mulher nova’? Que comportamento, costume, modo de pensar, sinais da falta de fé na ressurreição você verifica no mundo ao seu redor?

Se nós andamos com a imagem do Senhor Morto pela cidade, o que é muito significativo e bonito, por que também não O procuramos mais vezes vivo na Eucaristia? Quando foi a última vez que você entrou em uma igreja para encontrar-se com Jesus presente e vivo no sacrário ou na Comunhão dentro da Missa? Você já procurou solução para seus problemas em superstições, ou em pessoas que prometeram milagres em troca de dinheiro? Você se lembra de Jesus, o próprio Deus, o Único que até vencer a morte, espera por cada um de nós, também por você, todos os dias, e a qualquer hora, presente no Sacrário, oferecendo Sua ajuda sem cobrar nada?

Se amamos tanto a Jesus a ponto de acompanhá-Lo na Sua morte, não deveríamos estar com Ele e Lhe preparar uma grande festa celebrando a Sua ressurreição? Esta festa será amanhã à noite, a celebração da vigília pascal! Também a renovamos nas missas de todos os dias. Somos um povo que traz a marca de Jesus ressuscitado! E você, quer permanecer com Jesus morto ou vai acompanhá-Lo pelas vias da Ressurreição?

VOLTAR PRA IGREJA, NOSSA CASA
Irmão querido, irmã querida, lembra daquele filme do qual eu falava a pouco? Se acaso você, por indiferença ou por decepção diante de tantas notícias tristes, se afastou da Igreja, eu lhe faço um convite com as palavras de um outro filme, especialmente gravado para motivar católicos afastados a voltarem. É de uma campanha chamada “Católicos, regressem!” e que já fez muito sucesso, especialmente nos Estados Unidos. O texto do filme diz assim:

“Nossa família é feita de todas as raças. Somos jovens e velhos, ricos e pobres, homens e mulheres, pecadores e santos! Nossa família se difunde pelos séculos e pelo mundo. Com a graça de Deus abrimos hospitais para cuidar dos doentes, estabelecemos orfanatos e ajudamos os pobres. Somos a maior associação caritativa do planeta trazendo alívio e conforto para aqueles que precisam.

Nós educamos mais crianças do que qualquer outra instituição caritativa ou religiosa. Nós desenvolvemos o método científico e as leis de evidência. Nós fundamos o sistema universitário. Nós defendemos a dignidade de toda a vida humana, preservamos o casamento e a família.

Cidades foram homenageadas com os nomes de nossos venerados santos, que percorreram o sagrado caminho antes de nós. Guiados pelo Espírito compilamos a Bíblia. Nós somos transformados pela Sagrada Escritura e Sagrada Tradição tem nos guiado por mais de dois mil anos. Nós somos a Igreja Católica, uma família com cerca de um bilhão e duzentos milhões de membros. Temos mais de um milhão de padres, religiosos e religiosas, compartilhando dos Sacramentos e da riqueza da fé cristã.

Por séculos nós temos rezado por você e por todo o mundo, a cada hora e por todos os dias, sempre que celebramos a Santa Missa. O próprio Jesus lançou os fundamentos da nossa fé quando disse a Pedro, o primeiro Papa: ‘Tu és Pedro e sobre esta pedra Eu edificarei a minha Igreja’. Por mais de dois mil anos nós obtivemos uma linha ininterrupta de pastores guiando a Igreja Católica com amor e verdade no mundo confuso e doloroso para se viver.

E neste mundo cheio de caos, dificuldades e dor é confortante saber que algumas coisas permanecem coerentes, verdadeiras e fortes como a maravilha de nossa fé católica e do eterno amor que Deus tem por toda Criação. Se você esteve afastado da Igreja, não importa por qual razão, lhe convidamos para um novo olhar.

Nossa família é unida em Jesus Cristo, Nosso Senhor e Salvador, Morto e Ressuscitado, razão de nossa esperança. Nós somos a Igreja Católica! Bem-vindo à sua casa!”

Que tal esta volta se dar numa noite em que se celebra a Vigília da Ressurreição?! Eu me atrevo a propor, amanhã, às 19:30h, aqui na Catedral ou em alguma outra igreja perto de sua casa, onde se celebra a ressurreição do Senhor. O que você acha?

Que a Bem-aventurada Albertina e Nossa Senhora da Piedade, com sua intercessão, obtenham de Deusa graça de vivermos unidos em Cristo, esse Caminho de ressurreição até à vida plena. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

TUBARÃO – PROCISSÃO DA SEXTA-FEIRA SANTA


29 de março de 2013. 19:30h. A praça da catedral Nossa Senhora da Piedade, em Tubarão (SC), foi sendo tomada pelos fieis, até tornar-se pequena. A multidão lotava a nave da catedral e se derramava pelas vias laterais do templo. Aliás, a nossa catedral estava muito linda! Que belo trabalho do querido Pe. Raimundo Ghizoni, seu idealizador e construtor!

O Sr. Bispo D. João Francisco Salm saudou a comunidade. Convidou a todos para refletirem e rezarem durante a procissão e deu início à caminhada com as imagens do Senhor Morto e da Senhora das Dores.

Padres, seminaristas, religiosas, figurantes, carregadores dos andores, cantores (Movimento de Irmãos da Catedral), colaboradores e o povo em geral estavam numa grande sintonia de fé. O longo trajeto da procissão convidou-nos a muitos momentos de reflexão e oração.

Retornando para a praça da catedral ouvimos, pela segunda vez, o cântico da Verônica (interpretado pela veterana D. Terezinha). Em seguida falou D. João. A sua mensagem está na página seguinte.

PAIXÃO DO SENHOR EM HUMAITÁ DE CIMA


30 de março de 2013. 15h. O céu parcialmente nublado sobre Tubarão nesta tarde favoreceu para que as pessoas ficassem num clima de maior concentração pascal.

A comunidade de São Francisco de Assis, em Humaitá de Cima, se reuniu às 13:30h, para a Via-sacra pelas ruas do bairro. Tudo foi preparado com muito carinho. Muitas pessoas vieram celebrar sua fé desta forma.

Às 15h o cortejo chegou à capela que, despida de enfeites, acolheu todos para a Celebração da Paixão do Senhor. A Equipe de Cantos estava muito bem sintonizada que o espírito litúrgico exigia. Ministros e Coroinhas entraram comigo na procissão inicial. Enquanto eles se ajoelhavam diante do Cristo crucificado, ainda coberto por pano vermelho, eu me prostrava na presença do Senhor. Sempre este é um momento muito significativo, pois nos recorda nossa dependência total da Providência e, particularmente para mim sacerdote, recorda o gesto que fiz no dia de minha Ordenação.

Neste clima de fé realizamos as funções sagradas fundamentados na Palavra lida, acolhida, refletida e assumida; e também com a Oração Universal por todas as realidades de sofrimento do mundo. Também fizemos o descobrimento da imagem do Senhor e o rito de Adoração do Cristo na Cruz, seguido do beija-cruz. Fez-se a coleta em favor das obras da Igreja na Terra Santa.

Após a Comunhão todos retornaram para seus lares mais entusiasmados pelo amor de Deus que morreu e ressuscitou por nós.

sexta-feira, 29 de março de 2013

SANTA CEIA E LAVA-PÉS EM HUMAITÁ DE CIMA



29 de março de 2013. 20h. Chovia muito em Tubarão (SC) quando iniciamos a Santa Missa, dentro do Tríduo Pascal, na comunidade de São Francisco de Assis, da Paróquia N. Senhora de Fátima (Humaitá).

A Catequese coordenou a liturgia, que foi animada pelo Ministério Poder da Canção. Todos os coroinhas da comunidade participaram da procissão de entrada. Eram quase duas dezenas deles. Estavam alegres e ansiosos pela celebração. Os maiores serviram o altar e cuidaram do incenso. Também os Ministros da Eucaristia estavam juntos, pois hoje celebramos a Instituição da Eucaristia e do Sacerdócio Cristão.

 Enquanto o catequista Célio Corrêa proclamava o Evangelho, eu e um grupo de jovens e catequizandos encenamos a Última Ceia. Na encenação vieram dois figurantes representando Nossa Senhora e S. João Evangelista. Eles trouxeram o jarro com água, toalhas e uma bacia para a cerimônia do lava-pés. Foi muito emocionante e simples a representação.

Na homilia destaquei o sentido litúrgico do Tríduo Pascal, recordando o testemunho do Papa Francisco durante as funções de hoje no Vaticano. Ele celebrou o Lava-pés num presídio de jovens infratores, em Roma, e lhes disse: “estou aqui a serviço de vocês!”. E mais: “não permitam que roubem de vocês a esperança. Sigam sempre em frente com esperança!”.

Após a Comunhão, eu convidei os coroinhas, atores e ministros da Eucaristia para levarmos o Santíssimo Sacramento ao altar lateral onde ficaria exposto para a Adoração dos fieis. Ali concluímos a celebração, enquanto os liturgos desnudavam o altar-mor e cobriam as imagens, dentro de nossa habitual prática pascal.

quinta-feira, 28 de março de 2013

MISSA DO CRISMA – CATEDRAL DE TUBARÃO – 2013

 

28 de março de 2013. 9h. A inauguração da Semana Santa deste ano em Tubarão foi com a tradicional Missa do Crisma, quando os padres de toda a Diocese se reuniram para celebrar a Eucaristia juntamente com o seu Bispo.

Religiosos, seminaristas e muitas lideranças leigas das 28 paróquias estiveram presentes. A Catedral ficou quase lotada pelos fiéis. 43 sacerdotes e mais três Diáconos (sendo um permanente) concelebraram com D. João Francisco Salm. Os seminaristas menores e maiores auxiliaram na Liturgia.

Durante a Missa o Bispo abençoou os santos óleos dos Catecúmenos e dos Enfermos e consagrou o santo óleo do Crisma. Os sacerdotes renovaram os votos de sua ordenação presbiteral.

No presbitério, à convite do Sr. Bispo, colocaram-se os padres membros do novo Conselho Presbiteral, o primeiro do pastoreio de D. João. Com alegria, desejo de servir e consciência da responsabilidade, também este padre que escreve foi chamado a fazer parte do Conselho por força do ministério como Promotor Vocacional.

A homilia de D. João Francisco foi um convite à comunhão presbiteral e de toda a comunidade em torno do Cristo Cabeça da Igreja, Seu Corpo Místico. Abaixo transcrevo as suas principais idéias.

A nossa presença aqui, nesta manhã, nos recorda que não estamos sós. O povo de Deus, os presbíteros e diáconos, os religiosos e seminaristas juntos com o Bispo revelam que não estamos sós. E Jesus nos garante que está presente entre nós. Sua presença faz gerar vida nova.

Estamos iniciando o tríduo pascal, revivendo os ritos da antiga Aliança, mas celebrando a nova Aliança em Jesus. Assim reunidos nós somos um sinal de comunhão. Os presbíteros foram ungidos e enviados no dia de suas Ordenações.

Hoje, em torno deste altar, atualizamos a última ceia, quando Jesus ‘fez’ (instituiu) o sacerdócio cristão e a Eucaristia. Daqui a pouco nós, presbíteros, renovaremos os compromissos sacerdotais. Esta renovação quer ser um estímulo para todos continuarmos nos esforçando a sermos fiéis à nossa vocação.

Também benzeremos os santos óleos. Com eles daremos a unção que ajuda os cristãos a servirem como servos de Cristo. Tais óleos representam nossa vocação à santidade. Todos nós somos chamados a vivermos, cada vez mais, na unidade, na comunhão e na solidariedade fraterna. Isso demanda de nós despendermos muita energia espiritual e psíquica.

O Papa João Paulo II, na Carta Apostólica Novo Millennio Ineunte nos ensinava que espírito de comunhão é ter o olhar voltado para Deus e, ao mesmo tempo, para o profundo do ser humano. Assim veremos o outro também como membro do Corpo Místico de Cristo. O saudoso Papa ainda nos exortava a notarmos o positivo que há no outro e valorizá-lo. Pois é preciso respeitar o espaço do outro, evitando ciúmes. Eis aí, irmãos e irmãs, o sentido de tudo o que fazemos como presbíteros.

Todo este projeto é possível! Vejamos esta nossa Missa: é um sinal de comunhão! No dia de nossa ordenação presbiteral o Senhor novamente renovou o primeiro chamado que nos fez e, naquele dia, nos chamava de ‘amigos’. Ele disse: ‘Eu não vos chamo servos, mas amigos’! Sim, devemos renovar todos os dias a nossa vontade e a nossa missão. Hoje somos convidados a voltar ao ‘primeiro amor’.

Ao concluir, gostaria de agradecer mais uma vez a calorosa acolhida que me dispensaram desde que aqui cheguei e pela oração que fazem por mim. Obrigado!

terça-feira, 26 de março de 2013

NOVA FÁTIMA – MISSA VOCACIONAL


23 de março de 2013. 10h. A capela de Nossa Senhora de Fátima é pequena, estilo clássico, mas muito aconchegante. Muitas pessoas vieram participar da Celebração que começou no jardim, ao lado do templo.

A missa transcorreu normalmente. O seminarista Gustavo, cuja mãe é natural daquela comunidade, deixou um recado vocacional.

Dali fomos à comunidade de Rio Café, onde residem os pais do Daniel Willemann. Eles nos ofereceram um delicioso almoço. Passamos a tarde toda em suas companhias. Os seminaristas puderam até se aventurar em passeio à cavalo. Foi muito divertido e agradável!

MISSA VOCACIONAL EM SANTA ROSA DE LIMA



23 de março de 2013. 8:30h. Havia anos que eu não visitava Santa Rosa de Lima. Hoje, Domingo de Ramos, tive a graça de presidir a Missa na bela capela que fica na sede do município. Muita gente compareceu.

Iniciamos a Missa no meio da avenida central e caminhamos até a igreja. Os seminaristas cuidaram da animação.

O Diácono não pôde estar presente, mas, em seu nome, deixamos uma mensagem vocacional e o incentivo para a população prestigiar a sua Ordenação Presbiteral.

PINHEIRAL – JORNADA COM DIÁCONO MARCELO


22 de março de 2013. 19h. Chegamos a Rio Fortuna no início da tarde, às 14h, pois participamos da Reunião da Coordenação Comarcal da Pastoral Vocacional. Apenas Armazém não pôde estar presente. Representantes das outras 08 paróquias ali compareceram.

A Missa de Ramos iniciou na praça da grande capela de São Francisco Xavier. Pinheiral é a maior comunidade da Paróquia de Rio Fortuna e uma das maiores do município de Braço do Norte. Os seminaristas propedêutas mais o Daniel Willemann se engajaram na Equipe de Liturgia. O Diácono Marcelo também estava presente e renovou o convite para sua Ordenação.

Havia grande afluência de pessoas e houve muita concentração em todo o ritual. Terminada a celebração ainda ficamos conversando com as pessoas. Mais tarde, na Casa Paroquial, o Pe. Pedrinho Goulart e o Diácono nos ofereceram um delicioso e alegre jantar. Ali pernoitamos, pois a Jornada Vocacional continuará amanhã.

SÃO CRISTÓVÃO – BRAÇO DO NORTE – MISSA VOCACIONAL


21 de março de 2013. 19:30h. Chegamos cedo à comunidade de S. Cristóvão, no alto do morro. Levei comigo os seminaristas Daniel W., Daniel C, Lucas C e o Adson. A bela capela acolheu grande quantidade de pessoas.

Os seminaristas ajudaram na animação da Missa. O Diácono Marcelo convidou os participantes para sua Ordenação e foi muito aplaudido. De fato, há uma grande alegria em toda a paróquia pela Ordenação de mais um filho da terra.

Oxalá esta valorização da vocação presbiteral anime outros jovens vocacionados a dizerem o seu ‘sim’ a Deus! Após a celebração, jantamos na casa do Lucas Cardozo, onde nos dispensaram toda atenção.

VILA NOVA – BRAÇO DO NORTE – MISSA VOCACIONAL


20 de março de 2013. 19:30h. Chovia muito quando chegamos a Braço do Norte. Era mais uma Missa Vocacional dentro da Jornada Vocacional em preparação à Ordenação Presbiteral do Diácono Marcelo Buss.

Comigo foram os seminaristas Lucas R., Marcos Paulo, Sadionei e Uílian. Fizemos breves visitas aos avós do Lucas e do Marcos. E também à família do Sadionei.

A Celebração aconteceu numa sala do Ginásio de Esportes, pois a comunidade não possui capela. À pedido do pároco, fizemos uma Celebração Comunitária da Penitência. Os seminaristas deixaram seus recados vocacionais.

Fomos muito bem acolhidos pelas pessoas que lotavam o recinto. O Diácono não pôde estar presente. Aos a Missa, jantamos na casa do Marcos, onde fomos carinhosamente acolhidos.

PRESBITÉRIO DE TUBARÃO EM ORAÇÃO – REFLEXÃO DE D. JOÃO



19 de março de 2013. 9h. Nesta manhã o clero da Diocese de Tubarão fez a sua preparação para a Páscoa. Este é um tempo muito exigente na prática pastoral nas paróquias. Mas, à convite da Pastoral Presbiteral, os padres reservaram esta manhã para rezarem juntos a Laudes, a Via-sacra e a Santa Missa. D. João Francisco dirigiu umas palavras em preparação ao Sacramento da Reconciliação. Nesta oportunidade costumamos fazer nossa Confissão. Abaixo transcrevo alguns de seus pensamentos.

Nossa missão de presbíteros não é somente preparar o povo para a Páscoa, mas ajudar a fazer surgir o homem novo, no dinamismo da Páscoa. É um fruto pascal!

As Diretrizes da CNBB nos orientam a fim de transformarmos o homem como pessoa em vista da plenitude, onde se insere a dimensão da vida comunitária. Pois ele não está só. Nossas comunidades se integram e constituem a sociedade. Assim, entendemos que nossa tarefa é formar e transformar o mundo na ‘Civilização do Amor’!... no ‘novo Céu e nova Terra’!

Esta dinâmica pascal passa pelos sacramentos, sempre na força da Ressurreição. O Sacramento da Penitência torna viva em nós esta força. O Papa Francisco, logo após sua eleição, disse: ‘Eu vejo aqui um movimento: caminhar, rezar e confessar’! Em Números lemos ‘Que Deus nos mostre a Sua face’.

Então pergunto: como tenho andado na presença de Deus? Como tenho me relacionado com Ele e com os irmãos? Minha vida é um colaborar com o Reino de Deus? Sou também pedra viva que edifica ou pedra que estorva? Como professo minha fé?

Irmãos, o Batismo e a Penitência nos convidam à recriação do nosso ser. O teólogo Bruno Forte, ao analisar a Parábola do Filho Pródigo, destaca seis características que podem nos auxiliar: 1) O Pai é humilde; atende o filho que lhe pede mais do que lhe é devido. 2) O Pai tem esperança: espera que o filho vai voltar. 3) O Pai tem amor materno: um amor das entranhas, visceral. 4) O Pai tem um amor corajoso: o filho poderia ser morto sem os cuidados do pai. 5) O Pai é alegre, festivo: festeja a volta do filho. 6) O Pai é amoroso: sabe sofrer a dor do filho. Então, diante de um Pai assim, é preciso retornar mesmo.

Não podemos ficar exilados, fechados em nossa auto-suficiência. É bom sentirmos ‘saudades de Deus’; desejar ‘voltar’ para a casa do Pai. Quem se afasta de Deus se sente ‘exilado’ d’Ele. É preciso olhar pra frente, com esperança e dizer ‘vou me levantar’. O amor cria vida nova! ‘Já não sou eu que vivo, mas é Deus que vive em mim’, disse S. Paulo.

Pelo Sacramento da Penitência as pessoas vêm até nós: saibamos acolhê-las. O filho mais novo volta para viver a verdadeira liberdade. É tempo de reconciliarmo-nos com Deus, com os irmãos e com o mundo. Sejamos nós os que mais espalham alegria entre os irmãos!

FESTA DE PASSOS EM IMARUÍ – SERMÃO DO ENCONTRO – 2013


17 de março de 2013. 16:30h. O ápice da Festa de Passos, dentro da espiritualidade da Passio Açoriana, é o momento em que as imagens da Senhora das Dores se encontra com a imagem do filho que carrega a cruz. Neste ano o pregador do Sermão do Encontro foi o Pe. Hélio da Cunha, pároco de Santo Antônio, de Campinas, em Florianópolis. Abaixo transcrevo a sua reflexão.

Na Carta de São Paulo aos Romanos 10,17 encontramos que “a fé vem pela pregação”. Mas é preciso escutar Deus que quer falar conosco. Em Gál 5,6 lemos que “a fé se concretiza no amor”, como fêz Jesus. “Sem obras, a fé é morta”, ensinou São Thiago. Nós temos dificuldade de compreender estas coisas. Mas Tu, Senhor, és misericordioso!

Os apóstolos não haviam assimilado este ensinamento e fugiram na hora do calvário; exceto Maria e João. Onde estão os que foram tocados e curados? É mesmo preciso que Ele morra? E por que nós, romeiros, estamos aqui nesta tarde? Procuramos a vida ou a morte em Jesus? Irmãos, ele nos ensina a sofrer, a assumir a cruz. Eu lhes pergunto: qual a influência d’Ele em nossa vida? Por que tanta revolta, violência, incendiar carros, politicagem, brigas no futebol, tanta raiva entre as pessoas...? Por quê? Porque esquecemos o Plano arrojado de Jesus para nós. A vida digna!

Percebemos que existe compaixão entre nós, mas não a caridade. Eu queria ver meus irmãos tratados como gente. Bastava deixar você, Jesus, falar mais alto. Tu que acolheste a adúltera, acolhe este povo também, Senhor. És misericordioso e nós precisamos ser melhores em nossa vida. O caminho é assumir a cruz, seguir Jesus, fazer opção por Ele. Pois, viver sem Jesus é pior do que ficar doente!

A bondade nos eterniza. Seremos julgados pelo amor. Pois Jesus disse: “estava com fome e me deste de comer; com sede, e me deste de beber”. Deixemo-nos encantar por Jesus para, assim, podermos levar os outros também para o Céu.

A força mais poderosa que existe é a fé. Ela muda a face da Terra. Leva-nos a olhar as coisas como Deus as vê. Portanto, como nos ensinou Santa Paulina, nada de desanimar, “embora os ventos contrários”. Acredite: Deus está em mim, que maravilha! É urgente tirarmos a ‘anemia espiritual’.

Cremos que Jesus se enamora de nossa fraqueza. Pois, como disse São Paulo, “pela Graça de Deus sou aquilo que sou”. Podemos cultivar coisas boas em nós. Então estaremos em paz. Jesus traz a verdadeira paz que é capaz de transformar e sacudir o marasmo que nos sepulta. Como cristãos precisamos deixar-nos ‘incomodar’ e não ‘acomodar’, sem covardia. Precisamos libertar-nos das amarras e muralhas do caminho.

Eis a verdadeira Páscoa! É a revolução do Amor! Uns apedrejando os outros não resolve. Como disse Santa Terezinha, “é preciso fazer chover pétalas de rosas” sobre nós. Irmãos, Jesus está vivo em nós!

Ao contemplarmos o Encontro destas duas imagens, recordo a aflição dos pais. Vejam, Maria está em pé! Ensina-nos a termos esperança e coragem diante da cruz. Podemos aprender com os nossos jovens. Neste ano da JMJ eles estão gritando “Bote fé”! Eles nos exortam: botem fé em Jesus e Maria! No Calvário João e Maria apontam para Jesus. Sim, Ele é a solução para tudo! Neste encontro entre mãe e filho, nós também estamos presentes; dele participamos.

FESTA DE PASSOS EM IMARUÍ - 2013


17 de março de 2013. 9:30h. Após uma madruga de chuvas torrenciais sobre toda a região, o Domingo de Passos amanheceu iluminado pelo sol radiante em meio a algumas nuvens. Um belo dia para a Festa de Passos de Imaruí.

Após a Missa no Seminário, convidei os seminaristas propedêutas e fomos em romaria para a Pequena Jóia do Litoral. Já na rodovia que conduz para a cidade encontramos alguns peregrinos que pagavam promessas indo para Imaruí à pé. Às vezes eles caminham mais de cinqüenta quilômetros!

Logo que descemos o Morro do Taquaraçutuba já avistamos a cidade tomada de fieis. Muitos carros e ônibus e intensa movimentação de pedestres revelavam que a chuva dos últimos dias não arrefeceu o entusiasmo e a devoção popular. Percebemos que havia menos camelôs ambulantes na Praça da matriz. Também havia maior afluência de pessoas entre as barracas montadas nas margens da lagoa de Imaruí. Todavia, um grande número de romeiros alegrou e deu sentido à festa religiosa.

Durante toda a semana houve uma intensa programação religiosa em torno da devoção ao Senhor Bom Jesus dos Passos e da Senhora das Dores. Inclusive com Missas, bênçãos, lavação e vestição do Santo (que acontece em sigilo, com vinho tinto seco que os devotos trazem), vestição da Santa...

Na parte da manhã deste domingo, a Passio Açoriana constituiu-se na celebração de três Missas. Seus presidentes foram Pe. Adenir Ronchi (de Joinville), Pe. Avelino de Souza (Tubarão) e Pe. José Eduardo Bittencourt (Imbituba).

O almoço foi na casa dos amigos Menga e Cida. Foi muito legal! Eles são muito acolhedores. Terminada a refeição descemos para a praça da matriz onde uma multidão se aglomerava para o início da procissão. A Missa dos Romeiros, que começara às 13:30h, presidida pelo Pe. Jeremias de Sousa (Vargem do Cedro), já havia sido concluída. A Verônica, interpretada pela Gabriela Corrêa, com sua maravilhosa voz, entoou a tradicional canção “Oh, hominis”.

O cortejo com as venerandas imagens foi ganhando as ruas da pequena cidade, tornada, agora, num grande santuário da devoção popular. Na procissão percebi muitas pessoas, mais do que em anos passados, pagando promessas. O céu nublado ajudou a criar um clima favorável para a caminhada.

Mesmo sem o habitual calor intenso, os devotos não deixaram de aceitar as ofertas de água dos moradores ao longo do trajeto. Conversei com os moradores da casa vizinha à Capela de Passos. Estavam muito felizes e emocionados em poder realizar este gesto de caridade. “Fazemos isto porque sabemos que é importante. E, esperamos poder repeti-lo por toda a vida!”, me disse a jovem senhora, acompanhado do seu filho. Ele, por sua vez, garantiu: “Distribuímos em torno de 60 galões de água potável que compramos”.

A Verônica cantou ainda na frente da Capelinha de Passos e, no final da Festa. Percebi algo inusitado durante a procissão: enquanto caminhávamos, quase que ao mesmo tempo, três romeiros falavam ao telefone celular. Não tinha como não ouvir o que conversavam: uma jovem ía descrevendo a procissão para alguém ; um senhor comentava sobre a procissão e confirmava onde deveriam se encontrar ao término da Festa; um terceiro, jovem, animadamente, também tecia comentários sobre a Festa. “É a modernidade”, pensei comigo.

Ainda não foram resolvidos os problemas de sonorização do trajeto e nem o impedimento de músicas profanas no camelódromo durante aquele momento da procissão. Tanto que, enquanto descíamos a rua geral podíamos ouvir nitidamente as batidas e a pobre letra de uma música funk. Em cada um dos Sete Passos a procissão parou e os devotos conduziram orações e o canto “Miserere” diante dos altares com as estações da Via-sacra.

Por fim, na Praça, diante da Matriz, estando todo o povo concentrado, houve o Sermão do Encontro. Neste ano o pregador foi o Pe. Hélio da Cunha, pároco de Santo Antônio, Campinas, em Florianópolis. Na próxima página transcrevo a sua reflexão.

quinta-feira, 21 de março de 2013

MISSAS VOCACIONAIS EM COMUNIDADES DE IMARUÍ

 

16 de março de 2013. 16h. Neste sábado foram previstas três Missas Vocacionais dentro da Jornada Vocacional que estamos realizando pelas comunidades da paróquia São João Batista de Imaruí, SC.

O objetivo é preparar as comunidades para a Ordenação Presbiteral do Rodrigo no próximo mês. E as comunidades estão muito felizes com este evento. Depois de tantos anos de preparação, enfim, está chegando o dia da ordenação de mais um padre desta paróquia.

RIO PRAINHA - A primeira Missa aconteceu na comunidade São Pedro, em Rio Prainha (Imaruí). Chovia às 16h, mas a capela ficou cheia de fiéis.

D. Idêne, D. Dorza e demais lideranças nos acolheram fraternalmente e, terminada a Celebração, nos ofereceram um café.

SIQUEIRO - Dali, ainda acompanhado do Diácono Rodrigo e dos seminaristas fomos à comunidade de Santa Luzia, Siqueiro (Pescaria Brava). Ali rezamos a Missa.

A comunidade lotou a capela. Estavam todos contentes pela ordenação do Rodrigo. Foi muito bom rever tantas pessoas queridas, como o seu Zé da Pedra, os meus compadres Edegar e Janir.

Fiz a memória de antigas lideranças que muito ajudaram os padres em suas tarefas: a D. Francisca, o seu Dêgo, a D. Geraldina, o seu Sebastião... Depois, na Sacristia, tomamos um lanche com as lideranças. Mas não havia muito tempo para conversarmos, então nos dirigimos apressadamente à comunidade de Nossa Senhora Aparecida, na Samambaia (Imaruí).

SAMAMBAIA - O povo já nos aguardava na igreja. Logo iniciamos a celebração. Os seminaristas cuidaram da animação e auxiliaram na celebração. Chovia muito, escureceu rápido e fazia frio; mas a comunidade prestigiou a celebração. E, para variar, terminada a Missa, tomamos um lanche com as lideranças.

1º ENCONTRÃO VOCACIONAL DE 2013



16 de março de 2013. 08:30h. Tem chovido muito nestes dias. Pensamos que não conseguiríamos realizar o primeiro Encontrão Vocacional deste ano. Mas, mesmo com a chuva, 36 garotos e adolescentes vieram ao nosso Seminário, trazendo muita alegria para nossa Casa.

Os seminaristas se organizaram em vários grupos de serviços. O Pe. Pedro estava atento a todas as necessidades e fez a acolhida do grupo.

Vários animadores vocacionais trouxeram os garotos. A Rozania e a Zaneide, do SAV de Jaguaruna, também participaram e ajudaram em vários serviços.

O Jailson dirigiu a oração inicial. O tema foi “Jesus dá a vida pelos seus amigos”, fundamentado no clima de Festa de Passos e Semana Santa. A parte da manhã foi ocupada com cantos animados, reflexão da Palavra e Santa Missa.

O Pe. Pedro a presidiu e os seminaristas animaram. À tarde houve brincadeiras na Sala de Jogos e no ginásio.

ANIMAÇÃO VOCACIONAL EM COSTA DE BAIXO


15 de março de 2013. 19h. Depois de tantos anos, tive, nesta noite, a alegria de presidir a Santa Missa na comunidade de São Domingos de Gusmão, em Costa de Baixo, Imaruí – SC.

Um grupo de seminaristas me acompanhou. Eles cuidaram da animação. O Diácono Rodrigo José da Silva, que será ordenado padre dia 20 de abril próximo, chegou acompanhado de algumas lideranças de Capivari de Baixo. A celebração foi muito alegre.

A D. Silvana, liderança da comunidade, deu a todos as boas vindas. Os seminaristas deixaram sua mensagem vocacional, bem como as senhoras de Capivari. Terminada a celebração fomos levados ao Salão de Festas, onde nos ofereceram um delicioso café.

sexta-feira, 15 de março de 2013

IMARUÍ – MISSA VOCACIONAL EM SÍTIO NOVO


14 de março de 2013. 19:30h. Um grupo de fieis nos aguardava à frente da capela de São Miguel e São Sebastião, na comunidade de Sítio Novo, no sul do município de Imaruí. Eu e o Diácono Rodrigo nos fizemos acompanhar por um grupo de seminaristas e outros agentes vocacionais. Um ministério de Música da comunidade já acolhida festivamente a comunidade.

Durante a Missa vocacional o Diácono Rodrigo falou sobre sua vocação presbiteral, motivando a comunidade a rezar pelas vocações e continuar sua missão como comunidade de fé. Procuramos envolver os catequizandos e jovens durante o momento mariano.

Em nome da comunidade, o senhor Oscar Calegari Valentin agradeceu a visita e enalteceu o testemunho do Diácono desejando que o seu ministério presbiteral seja muito profícuo. Após a celebração, visitantes e lideranças se reuniram para um delicioso café de confraternização.