quinta-feira, 6 de setembro de 2012

TESTEMUNHO SOBRE O PE. CLAUDINO BIFF


28 de agosto de 2012. Convidado a falar sobre o Pe. Claudino, com muita alegria aceitei, pois fui seu coroinha e recebi grande incentivo vocacional dele. Por isso escrevi o texto que segue.

Nascido na “bucólica” Morro da Fumaça, como ele costumava chamar o seu torrão natal, cresceu numa família italiana muito religiosa. Entrou adolescente no Seminário: era esguio, recatado, estudioso, fazia o tipo intelectual.

Ouvi muitas vezes que era um padre muito dedicado. Na sua querida Laguna (seu primeiro amor) era chamado de “padre santo”. Visitava frequentemente as famílias, especialmente as mais pobres. Chegava na hora das refeições, sem avisar, e não se importava de comer peixe com farinha se tivessem para partilhar com ele. Até hoje falam dele com carinho naquelas terras de Santo Antônio dos Anjos da Laguna.

Completou seus estudos na Itália, onde trabalhou com a recuperação de drogados. O seu livro mais famoso, “Rayssa”, marca esta sua missão. Tarefa que continuou aqui, mesmo quando eu coração ia enfraquecendo cada vez mais.
Não podendo mais trabalhar diretamente na pastoral, passou a atender algumas pessoas no Palácio Episcopal, onde residia com D. Anselmo. Ele entendia os jovens e também os dramas dos adultos.

Foi ele quem me batizou, na catedral. fui seu coroinha. Ele sempre falava que a nossa comunidade de Passagem deveria ser uma matriz paroquial.
Marcou-nos sua serenidade e alegria de viver e também sua simplicidade.

Escreveu vários livros. O derradeiro foi “O Galileu Passional”, uma releitura particular dos Evangelhos de Cristo. O livro “Crônicas da Diocese de Tubarão” foi um grande presente que ele deixou para nós.

Amava a natureza, especialmente seu refúgio em Morro da Fumaça e uma bela capelinha no interior daquele município (que ajudou a reformar). Gostava de pescar e era sempre uma companhia agradabilíssima. Andava sempre carregando sementes e mudas de plantas. Amava as bromélias.

Hoje, no Céu, o Pe. Claudino é um jardineiro de Deus!

Nenhum comentário:

Postar um comentário