IMARUÍ – FESTA DE PASSOS – O ENCONTRO DE AMOR


10 de abril de 2011 - De um lado da praça foi colocada a imagem de Passos, o Filho; do outro lado, a de Nossa Senhora das Dores, a Mãe.


No meio, diante da matriz, sobre um púlpito, vestido de túnica branca e casula roxa, colocou-se o pregador do Sermão do Encontro, o Pe. Márcio Vinhati (fundador da Comunidade Católica Divino Oleiro, de Florianópolis).


Com voz forte e clara ele pronunciou a sua reflexão. Esta Festa é marcada pelo amor, um Encontro de Amor! E onde há amor, há vida em plenitude. Ele, o Senhor, esvaziou-se de Si mesmo, fazendo-se obediente até o fim: a morte de cruz. Como diz São Paulo, “ao nome do Senhor todo joelho se dobre e toda língua proclame: Jesus é o Senhor!”.


Estamos diante desta imagem: bela e repleta de significados. Com certeza, ela foi esculpida em meio a um enlevo espiritual. Retrata a imagem do Servo que sabe fazer-se obediente. E diz ao seu Pai: “Eis que venho! Eis que venho com prazer para fazer a Vossa vontade!”. E o Pai lhe responde: “Meu Filho, o mundo está imerso num mar de pecados, ouvindo a voz do maligno. Eu me entristeço com tanta matança, ódio e vingança. Preciso de Ti, meu Filho. Enviar-te-ei até eles. O teu nome será Jesus, que significa, o que vem para salvar.”.


Hoje estamos ouvindo Jesus dizer: “Sim, sou Servo do Pai”. Ele é um Deus de surpresas. Olhou para uma jovem do interior, Maria, a quem havia escolhido desde toda a eternidade para ser a Mãe de seu Filho. Também ela se fez serva: “Eis aqui a serva do Senhor!”. Portanto, este é o encontro de dois Servos! Meu irmão e minha irmã, neste Encontro de Amor há espaço para a tua dor. Este é o teu encontro com o Amor de Deus!


O povo ouviu atento o sermão. É comum, nestas ocasiões, o sacerdote retratar ora a dor de Maria, ora a dor de Jesus. Referir-se aos sofrimentos da Mãe é a senha para que os carregadores aproximem a imagem da imagem de Jesus. Depois, voltado para a imagem de Passos, o pregador reflete sobre o processo de Jesus; eis a senha para que os Irmãos tragam o andor mais para perto da outra imagem.



O Pe. Márcio optou para fazer uma reflexão simples e profunda sobre o mistério daquela cena do Encontro. Como a senha não foi codificada, ele pediu que as imagens fossem trazidas uma para junto da outra: agora, sim! Eis o Encontro! Era o que todos esperávamos: Mãe e Filho, Servos e sofredores por Amor! A festa chegava, assim, ao seu ápice. Era o fim de um evento, mas começo da missão que se descortinava pela frente: ser testemunha deste imenso Amor; e ser promotor destes Encontros de Amor, como frisou o pregador!


O povo começou a dispersar-se. Sobre a cidade, carregadas nuvens se acomodaram no céu de Imaruí. Ficamos sabendo depois que, em Tubarão, milhares de pessoas fizeram a procissão de Passos sob um céu nublado. E que lá chegou mesmo a chover um pouco, a ponto de o Pe. Pedro De Biasi, que irradiava o evento para a Tubá, chegar a dizer: “vamos acolher esta chuva; são bênçãos que Deus envia sobre nós”.


Em Imaruí, depois da bênção final, foram feitos alguns agradecimentos e anunciada a próxima Festa de Passos: dia 25 de março de 2012, quando se reviverá, novamente, a mesma emoção deste ano.


Assim edificados, os milhares de romeiros puderam voltar para seus destinos, mais fortes na fé. “Que festa linda!”, era o que mais se ouvia dizer na praça, enquanto as pessoas se despediam. De fato, que linda Festa!

Comentários